joomla 1.6

ILUSTRAÇÕES

Imprimir
PDF

O TOURO E A FORÇAUm homem foi a uma tourada. No final da apresentação resolveu olhar os touros mais de perto, dirigiu-se então para o local onde eles estavam presos. Ao se aproximar de um touro percebeu que ele estava preso por uma corda muito fina e, que facilmente poderia ser rompida pelo touro. Naquele momento, pensou o homem, se o touro arrebentar esta corda com certeza ele irá me atacar, desesperado ele procurou se retirar do lugar. Quando saía rapidamente encontrou um senhor que cuidava dos touros.
- O que houve meu jovem? – Perguntou o senhor.
- Este touro está preso por uma fina corda e se fugir irá nos matar – Repondeu angustiado.
- Calma meu jovem – disse o velho com um sorriso no rosto – O touro não arrebenta a corda porque ele não sabe a força que tem.

Jesus disse que você poderá fazer obras maiores do que as Ele fez. Saiba disso e arrebente as amarras pelo poder do nome do senhor. 
  



A VERDADEIRA IDENTIDADE

 Uma águia pôs um ovo no ninho de uma galinha. Com o tempo a galinha chocou os ovos e juntamente com os pintainhos nasceu o filhote da águia. Eles cresceram juntos e o filhote da águia, embora diferente, fazia tudo que um frango fazia, ciscava, comia minhocas, etc.
 Certo dia o filhote da águia viu uma águia voando bem alto e pensou! “Eu queria ser igual aquela águia e voar bem alto.”

 Você é filho de Deus, feito a Sua imagem e semelhança. Tome posse disso.  
 



QUEM CORRE MAIS?

“Um japonês e um americano estavam em um safari na África. De repente apareceu um leão rugindo para atacar os dois.
O japonês, calmamente, tirou seus sapatos e calçou tênis de corrida.
O americano indignado, disse ao japonês:
“Você parece bobo, acha que de tênis vai correr mais do que o leão?
Ë o japonês respondeu:
“Não preciso correr mais do que o leão. Só preciso correr mais do que você!”

Precisamos nos unir , para vencer o inimigo juntos somos mais fortes.


O JUDEU

 Havia um judeu que tinha sete filhos. Este judeu encontrava-se no leito de morte. Chamou seus sete filhos e sua mulher e disse-lhes: Hoje partirei e estou deixando para vocês uma enorme fortuna e uma grande indústria e não que  você a vendam. Então os filhos lhe perguntaram : como a administraremos se não temos capacidade? Então o judeu disse para eles: - Vão lá fora e tragam um graveto cada um. E eles foram. Chegando cada um com seu graveto, o judeu disse: - quebrai-os um por um. E assim foi feito. Então o judeu mandou-os de volta para cada um trazer outro graveto. E agora mando ajuntarem a todos os graveto e fazer um só, um emaranhado de gravetos, e disse: - Quebrai-os. E eles disseram: - Não podemos.
 E assim o judeu disse para eles: - Se forem unidos a indústria não falirá, mas se for cada um por si ela não sobreviverá.

 Precisamos nos unir , para vencer o inimigo juntos somos mais fortes.  
 



RITUAL DE PASSAGEM: SOZINHO, MAS ACOMPANHADO.

 Lembre-se que Deus está com você em todo momento, mesmo que não o veja.

 Há uma história sobre um jovem índio que teve que passar por um ritual antes que pudesse entrar na idade adulta. Ele precisava provar à comunidade que era bravo e podia sobreviver aos perigos do mundo. Para isso, ele teve que ir a floresta e passar uma noite sozinho. Não pôde levar nada consigo a não ser uma faca para proteção. Durante toda a noite ele ouviu ruídos estranhos e esperou pelo pior. Mais tarde, o jovem garoto descobriu que seu pai estava bem perto dele a noite inteira, tomando conta dele. 



MACACO Um homem que tempos atrás encontrara-se com um amigo, que se queixara muito da vida, pois tinha acabado de ser abandonado pela mulher e estava indo mal nos negócios, dizendo viver um verdadeiro inferno, um certo dia encontra-se com esse mesmo amigo, que aparenta estar completamente curado: o desespero cedeu lugar a felicidade.
 Ante a surpresa deste amigo com tão radical mudança, revelou-lhe que sua vida tinha dado uma guinada de 180 graus e estava uma verdadeira maravilha, tudo por conta de uma macaquinho que comprara.
Disse ele ao amigo:
_ Minha vida é uma maravilha, e tudo por causa de uma macaquinho que comprei. Imagine você que de manhã quem me acorda é o macaquinho, carinhosamente e com muitas brincadeiras, enquanto estou no banho o macaquinho me prepara um baita de um café, abre o jornal na parte em que eu gosto de ler, e vou trabalhar feliz da vida; enquanto estou no trabalho o macaquinho arruma a casa, lava e passa minhas roupas e prepara um belo almoço; quando eu retorno a noite o macaquinho já preparou um delicioso jantar. Ele muito bem relacionado no prédio e toda noite o meu apartamento está cheio de lindas mulheres.
 O amigo ficou maravilhado: - Que vida! Que vida! Dizia com empolgação.
 Tempos depois esse mesmo amigo procura pelo dono do macaquinho, queixando-se de sua própria vida. Era ele agora que havia sido abandonado pela mulher e estava vivendo um inferno em sua vida. Então pediu ao amigo do dono do macaquinho:
Me faz um favor amigão, me empresta o macaquinho...
- Você está louco, emprestar meu macaquinho, o responsável pela espetacular mudança da minha vida, por toda minha felicidade...
- Me empresta vai... estou precisando...
- Me aluga então vai...
- Que alugar que nada... pode esquecer...
- Me venda então o macaquinho... eu pago!
- Vender por quanto homem?... Meu macaquinho não tem preço...
- Você sabe eu sou muito rico... eu pago qualquer coisa...pago até US$ 1 milhão pelo macaquinho...
O dono do macaquinho fica por um instante em silêncio, parecendo relutar em vender o macaquinho, até que diz ao amigo:
- Olha ... não é pelo dinheiro não... mas agora eu percebi que você está mesmo desesperado e só o meu macaquinho para salvá-lo... eu vou aceitar o dinheiro mas esteja certo que só uma grande amizade me faz vender meu querido macaquinho a você!

Dois dias depois o amigo liga indignado:
Seu ordinário, você me enganou, o macaquinho não faz nada daquilo que você falou... ele só sabe quebrar as copisas dentro de casa e ficar fazendo cocô pelos cantos... esse macaquinho é uma fraude, uma porcaria.

Ao que respondeu o amigo:
Olha amigo... tome cuidado... se continuar falando mal assim dele você não vai conseguir vender o macaquinho...

 O mundo tem vendido macaquinhos como estes. Tudo que é oferecido pelo mundo tem uma boa aparência mas, depois que nos envolvemos a realidade é outra, aí já é tarde.



O SÁBIO:  É PRECISO EXPERIMENTAR   Um sábio desafiava a qualquer uma pessoa a discutir com ele sobre o cristianismo. 
 Certo dia, enquanto falava a uma pequena platéia um homem humilde e mal vestido se dispôs a argumentar com o sábio. Neste momento o sábio lhe franqueou a palavra dizendo: Responda meus argumentos! O humilde homem apanhou uma laranja, descascou com calma, chupou a laranja e voltando-se para o orador disse: Estou pronto para falar. O sábio, com um sorriso irônico foi dizendo: Até que enfim! Vamos lá! Fale, fale... que tem a dizer em resposta aos meus argumentos contra o cristianismo?
 Então, perguntou-lhe o homem! A laranja que chupei estava doce ou azeda? O silêncio foi total, quebrado em seguida por imensa gargalhada. Todos riam! Mas quem mais ria era o sábio que disse: Foi o senhor que chupou a laranja... O senhor é que deve saber se elea estava doce ou azeda!...  Um momento vamos com calma... Se que chupou a laranja fui eu, e só eu sei se ela estava doce ou azeda, isso fala a meu favor e em favor de minha fé cristã. Antes de me tornar cristão minha vida era de uma forma. Um dia conheci o evangelho e me transformei. Um verdadeiro milagre! De modo que como o senhor vê, eu provei da laranja da salvação e sei que ela é doce, muito doce. Na verdade é o senhor que está fazendo o papel de maluco, falando de  assunto que o senhor não conhece. Se o senhor nunca experimentou a fé cristão como pode saber o gosto que ela tem?  O sábio fora silenciado. 



O JOVEM AGRICULTOR:  COISAS CERTAS NA HORA ERRADA.   Era uma vez um jovem agricultor que tinha uma namorada muito bonita. Ele tinha tudo para ser feliz, no entanto, era triste. Isto chamou a atenção de um velho amigo da família que, procurando ajudar, perguntou como ele procedia no seu dia a dia.
 “De manhã bem cedo”, respondeu o rapaz, “passo para ver minha namorada e depois vou ao campo fiscalizar as atividades dos meus trabalhadores. Mas, ultimamente, a namorada não me parece tão bonita como era e a plantação anda meio sem viço e sem verdor”. “Então faz assim”, aconselhou o amigo experiente, “quando você levantar, primeiro visite seus campos, e só então, na volta, passe para ver sua namorada”.
 Algum tempo mais tarde os dois amigos voltaram a se encontrar. Agora o rapaz estava alegre e satisfeito, e o amigo notando, explicou: “Você não cometia nenhum engano, mas havia um problema. Fazia a coisa certa na hora errada! Porque cedo, a namorada ainda estava sonolenta, os olhos ainda estavam meio fechados e sem brilho, não havia se penteado como devia, nem tinha tido tempo de colocar um perfume. Da mesma forma, com o sol alto as plantações ficam mesmo caídas, pois já perderam o frescor do orvalho da madrugada que lhes fazem bonitas e viçosas”. 



ALCOÓLATRA: QUANDO VOCÊ INTERPRETA DA MANEIRA ERRADA Um médico fazia uma palestras a um grupo de alcoólatras. Ao iniciar a apresentação disse: “Hoje vou realizar uma experiência para mostrar a vocês o efeito do álcool”. Levantou um copo e afirmou: “Aqui dentro há álcool”. Com uma pinça, pegou um verme, mostrou-o para a platéia e o soltou dentro do copo. Imediatamente o verme se desfez, causando impacto nos presentes. Em seguida, ele levantou outro copo e disse: “Aqui dentro há água”. Novamente pegou outro verme e o soltou dentro do copo. O verme se mexeu, mostrando sua energia. Nesse momento, no meio da platéia, um indivíduo embriagado levantou a mão e, com voz pastosa, disse: “Entendi bem o que o doutor quis dizer, e concordo inteiramente. Sua mensagem é sensacional”. Feliz, o médico pediu: “Por favor, diga em voz alta, para que todos escutem, qual é a minha mensagem”. Solícito, o indivíduo declarou: “Doutor, o senhor acabou de mostrar com essa experiência que quem bebe não tem verme no organismo. O álcool mata o verme”!
 O homem sempre procura uma justificativa para o seu erro, por isso interpreta de forma errada, tem sempre uma justificativa “plausível” para o pecado.



“KAN GA RU” :  QUANDO VOCÊ INTERPRETA DA MANEIRA ERRADA   Conta-se que quando James Cook desembarcou na Austrália no século XVIII, quis saber o nome de um estranho animal que vira perto do acampamento. Os aborogínes, não entendendo o que o navegador inglês lhes perguntava, responderam: “Kan ga ru”  que significa “não compreendo”. Daí a origem do nome Canguru ao mais comum animal da Austrália.

 É preciso prestar atenção no que está ouvindo para não interpretar de forma errada.



SANDUÍCHE DE ATUM:  É VOCÊ QUEM FAZ SEU DESGOSTO   Todos os dias na  hora do almoço, um sujeito abria a marmita e dizia, decepcionado: “Sanduíche de atum? Eu odeio sanduíche de atum!”, e o jogava na lata do lixo. Depois de algum tempo, um colega de trabalho perguntou: “Por que você não pede para sua esposa fazer um sanduíche diferente, já que não gosta de atum?” Então ele respondeu: “Mas quem disse que eu tenho esposa, quem disse para você que outra pessoa prepara meu almoço? Sou eu mesmo que preparo meu lanche! Eu só sei fazer sanduíche de atum.”

 Talvez você passe por situações alheias a sua vontade porque não conhece outro caminho ou outra maneira de agir. Busque a forma correta.



O CULPADO   Uma empresa estava em situação muito difícil. As vendas iam mal, os trabalhadores estavam desmotivados, os balanços há meses não saíam do vermelho. Era preciso fazer algo para reveter o caos, mas ninguém queria assumir nada. Pelo contrário, o pessoal apenas reclamava que as coisas andavam ruins e que não havia perspectivas de progresso na empresa. Eles achavam que alguém devia tomar a iniciativa de reverter aquele processo
 Um dia, quando os funcionários chegaram para trabalhar, encontraram na portaria um cartaz enorme no qual estava escrito: “Faleceu ontem a pessoa que impedia seu crescimento na empresa. Você está convidado para o velório na quadra de esportes”. No início, todos se entristeceram com a morte de alguém, mas, depois de algum tempo, ficaram curiosos para saber quem estava bloqueando seu crescimento na empresa.
 A agitação na quadra de esportes era tão grande que foi preciso chamar os seguranças para organizar a fila do velório. Conforme as pessoas iam se aproximando do caixão, a excitação aumentava: “Quem será que estava atrapalhando meu progresso? Ainda bem que esse infeliz morreu!
 Um a um os funcionários agitados, aproximavam-se do caixão, olhavam o defunto e engoliam em seco. Ficavam no mais absoluto silêncio, como se estivessem sido atingidos no fundo da alma.
 No visor do caixão havia um espelho que refletia o rosto de quem nele olhava.

 Você já pensou se o problema ao seu redor pode ser por sua culpa?  
 



CASAL Um casal de velhinhos apaixonados, casados há cinquenta anos, foi comprar dois jazigos no cemitério, um ao lado do outro. Depois de fechar o negócio, o velhinho disse:
- Querida, quando eu morrer, quero ser enterrado do lado esquerdo.
Surpresa, ela respondeu:
- Está bem. Se você morrer antes, vou pedir para que o enterrem do lado esquerdo. Mas estou curiosa para saber porque você quer ser enterrado do lado esquerdo se a vida toda dormiu do lado direito da cama. Por acaso teria preferido dormir do outro lado?
Ele olhou com ternura e afirmou:
- É verdade, eu sempre quis dormir do lado esquerdo da cama.
- Espantada ela perguntou:
- E por que nunca disse? Teria sido tão simples trocar de lado...

Não deixe de dialogar, é o melhor caminho para se encontrar uma solução.



CEMITÉRIO O lugar mais rico deste planeta não são os campos de petróleo do Kuwait, do Iraque ou da Arábia Saudita. Nem tão pouco, as minas de ouro e diamantes da África do Sul, as minas de Urânio da União Soviética e as minas de prata da África. Embora isso seja surpreendente, os depósitos mais ricos de nosso planeta podem ser encontrados a alguns quarteirões da sua casa. Eles estão no cemitério local. Enterrados embaixo do solo. Dentro das paredes daqueles túmulos sagrados estão sonhos que nunca se realizaram, canções que nunca foram escritas, pinturas que nunca encheram uma tela, idéias que nunca foram compartilhadas, visões que nunca se tornaram realidade, invenções que nunca foram criadas, planos que nunca passaram da “prancheta”  mental e propósitos que nunca foram realizados. Nossos cemitérios estão cheios de um potencial que permaneceu inerte. 

Não enterre seu talento.


O LENHADOR E A RAPOSAEm algum lugar existiu um lenhador que acordava às 6 da manhã e trabalhava o dia inteiro cortando lenha, e só parava tarde da noite. Esse lenhador tinha um filho, lindo de poucos meses; e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação de sua total confiança.
 Todos os dias o lenhador ia trabalhar e deixava a raposa cuidando de seu filho. Todas as noites ao retornar do trabalho, a raposa ficava feliz com sua chegada. Os vizinhos do lenhador alertavam que a raposa era um bicho, um animal selvagem; portanto, não era confiável, quando ela sentisse fome ela comeria a criança. O lenhador sempre retrucando com os vizinhos falava que isso era uma grande bobagem. A raposa era sua amiga jamais faria isso.
 Os vizinhos insistiam: “lenhador abra os olhos! A raposa vai comer seu filho.” “Quando ela sentir fome ela vai comer seu filho!
 Um dia o lenhador muito exausto do trabalho e muito cansado desses comentários ao chegar em casa viu a raposa sorrindo como sempre e sua boca totalmente ensangüentada... o lenhador suou frio e sem pensar duas vezes acertou o machado na cabeça da raposa... Ao entrar no quarto desesperado encontrou seu filho no berço dormindo tranqüilamente e ao lado do berço uma cobra morta...
 O lenhador enterrou o machado e a raposa juntos. 

 Muitos ímpios vêem a Cristo como esta raposa, Entretanto, nEle você pode confiar, pois ele esmagará a serpente debaixo de seus pés.  
 



OS 5 MACACOS   Um grupo  cientistas colocou cinco macacos numa jaula. No meio, uma escada e sobre ela um cacho de bananas. Quando um macaco subia na escada para pegar as bananas, um jato de água fria era acionado em cima dos que estavam no chão.
 Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros o pegavam e enchiam de pancada. Com mais algum tempo, nenhum macaco subia mais a escada, apesar da tentação das bananas.
 Então os cientistas substituiram um dos macacos por um novo. A primeira coisa que ele fez foi subir a escada, dela sendo retirado pelos outros, que o surraram. Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não subia mais a escada.
 Um segundo macaco veterano foi substituído e o mesmo ocorreu, tendo o primeiro substituto participado com entusiasmo na surra do novato.
 Um terceiro foi trocado e o mesmo ocorreu. Um quarto, e afinal o último dos veteranos foi substituído. Os cientistas ficaram com um grupo de cinco macacos que mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse pegar as bananas. Se possível fosse perguntar a algum deles por que eles batiam em quem tentasse subir a escada com certeza a resposta seria.

- Não sei, mas as coisas sempre foram assim por aqui.
 

Não seja radical, procure conhecer os princípios e se preciso for, mude.



O CASULO “... Lembro-me de uma manhã  em que havia descoberto um casulo na casca de uma árvore, no momento em que a borboleta rompia o invólucro e se preparava para sair. Esperei bastante tempo, mas estava demorando muito e eu estava com pressa . 
     Irritada, curvei-me e comecei a esquentá-la com meu hálito. Eu o esquentava, impaciente, e o milagre começou a acontecer diante de mim, a um ritmo mais rápido que o natural. O invólucro se abriu, a borboleta saiu se arrastando e nunca hei de esquecer o horror que senti então: suas asas ainda não estavam abertas e com todo o seu corpinho que tremia ela se esforçava para desdobrá-las.
    Curvada por cima dela, eu a ajudava com meu hálito. Em vão era necessário uma paciente maturação e o desenrolar das asas devia ser feito lentamente ao sol: agora era tarde demais. Meu sopro obrigava a borboleta a se mostrar toda amarrotada, antes do tempo. Ela se agitou desesperada e  alguns segundos depois morreu na palma da minha mão..
     Aquele pequeno cadáver é, eu acho, o peso maior que tenho na consciência. Pois, hoje entendo bem isso, é um pecado mortal forçar as grandes leis.
     Não temos que nos apressar, não ficar impacientes, seguir com confiança o ritmo eterno’’. 

 Nikos  Kazantzaki 



NO FUNDO DO POÇO   “Conta-se que um fazendeiro, que lutava com muita dificuldades, possuía alguns cavalos para ajudar no trabalho de sua fazenda.
 Um dia, o capataz lhe trouxe a notícia de que um de seus cavalos havia caído em um velho poço abandonado. O buraco era muito fundo e seria difícil tirar o animal de lá.
 O fazendeiro avaliou a situação e certificou-se de que o cavalo estava vivo. Mas pela dificuldade e o alto custo para retirá-lo do fundo do poço, decidiu que não valia a pena investir no resgate. Chamou o capataz e ordenou que sacrificasse o animal soterrando-o ali mesmo.
 O capataz chamou alguns empregados e orientou-os para que jogassem terra sobre o cavalo até que encobrissem totalmente e o poço não oferecesse mais perigo aos outros animais.
 No entanto, na medida que a terra caía sobre seu dorso, o cavalo se sacudia e a derrubava no chão e ia pisando sobre ela. Logo os  homens perceberam que o animal não se deixava soterrar, mas, ao contrário, estava subindo à medida que a terra caía, até que, finalmente conseguiu sair..”

 Se você está sendo soterrado no fundo do poço faça desse aterro seu ponto de apoio para subida.  
 

O PINTOR E O MENDIGO   Certo dia , ao atravessar uma rua, um artista encontrou um homem que lhe convinha para o quadro que pretendia pintar, um mendigo miserável e maltrapilho. Logo disse ao pobre mendigo que lhe pagaria bem, se ele comparecesse à sua sala de trabalho para lhe servir de modelo. O mendigo concordou e o dia foi marcado. Esse dia chegou, e o homem compareceu ao estúdio do pintor.
- O senhor combinou comigo – disse o mendigo ao pintor, quando este lhe abriu a porta.
O artista olhou para ele e disse:
- Mas eu não o conheço de parte nenhuma! Como é que pode Ter combinado alguma coisa comigo?
- Sim – disse ele – eu combinei em vir hoje aqui a essa hora.
- Deve estar enganado. Deve tratar-se de algum outro artista. Eu estou à espera de um mendigo.
- Mas eu sou esse mendigo.
- Não pode ser.
- Mas sou ele mesmo.
- Que é que fez?
- Bem, eu pensei que devia me arrumar um pouco melhor antes de servir de modelo.
Replicou então o artista.
- Eu não o quero assim. Eu queria exatamente como estava. Agora o senhor já não serve para minha pintura.

Jesus Cristo quer que você venha como você é. Ele vai te transformar. 



TEMPO “imagine que você tenha uma conta corrente e a cada manhã você acorde com um saldo de r$ 86.400,00, só que não é permitido transferir o saldo para o dia seguinte. Todas as noites o saldo é zerado, mesmo que você não tenha conseguido gastá-lo durante o dia.
O que você faz???
você  irá gastar  cada centavo, é claro !
Todos nós somos clientes deste banco que estamos falando,ele se chama tempo. Todas as manhãs é creditado para cada um de nós 84.600 segundos. Todas as noites o saldo é debitado como perda, não é permitido acumular este saldo para o dia seguinte. Todas as manhãs  a sua conta é reiniciada e todas as noites as sobras do dia se evaporam, não há volta. 
Você precisa gastar vivendo no presente o seu depósito diário. Invista , então, no que for melhor, na saúde, felicidade e sucesso!
O relógio está correndo. faça o melhor para  seu dia-a-dia.

Para você perceber o valor de um ano, pergunte a um estudante que  repetiu o ano.
Para você perceber o valor de um mês, pergunte para uma mãe que teve o seu bebê prematuro.
Para você perceber o valor de uma semana, pergunte a  um editor de um  jornal semanal.
Para você perceber o valor de um minuto, pergunte a uma pessoa que perdeu o trem.
Para você perceber o valor de um segundo, pergunte a uma pessoa que conseguiu evitar um acidente.
Para você perceber o valor de um milisegundo, pergunte a alguém que venceu a medalha de prata em uma olimpíada.
Ontem é história.
O amanhã é pertence a Deus.
O hoje é uma dádiva. por isso é chamado presente!!! 



POR UM MUNDO MELHOR   Um cientista vivia preocupado com os problemas do mundo e estava resolvido a encontrar meios de minorá-los. Passava dias em seu laboratório em busca de respostas para suas dúvidas.
 Certo dia, seu filho de sete anos invadiu o seu santuário decidido a ajudá-lo a trabalhar. O cientista, nervoso pela interrupção, tentou que o filho fosse brincar em outro lugar. Vendo que seria impossível removê-lo, o pai procurou algo que pudesse ser oferecido ao filho com o objetivo de distrair sua atenção. De repente, deparou-se com uma figura do mundo em uma revista. Com auxílio de uma tesoura recortou o mapa em vários pedaçose junto com o rolo de fita adesiva, entregou ao filho dizem:
- Você gosta de quebra-cabeças? Então vou lhe dar o mundo para consertar. Faça tudo sozinho.
Calculou que a criança levaria dias para recompor o mapa porque nunca tinha visto antes..  Algumas horas depois ouviu a voz do filho que o chamava calmamente:
_ Pai. Pai. Já fiz tudo. Conseguir terminar tudinho!
A princípio o pai não deu crédito às palavras do filho. Seria impossível na sua idade Ter conseguido recompor um mapa que jamais havia visto.
Relutante, o cientista levantou os olhos de sua anotações, certo de que veria um trabalho digno de uma criança.
Para sua surpresa, o mapa estava completo. Todos os pedaços haviam sido colocados nos devidos lugares.
Como seria possível? Como o menino havia sido capaz?
- Você não sabia como era o mundo, meu filho, como conseguiu?
- Pai, eu não sabia como era o mundo, mas quando você tirou o papel da revista para recortar, eu vi que do outro lado havia a figura de um homem. Quando você me deu o mundo para consertar, eu tentei, mas não consegui. Foi aí que eu me lembrei do homem, virei os recortes e comecei a consertar o homem que eu sabia como era. Quando consegui consertar o homem, virei a folha e vi que tinha consertado o mundo. 



O MENINO E O SÁBIO Um menino ficou sabendo que em sua cidade se encontrava um sábio muito inteligente e que todos corriam até a praça para ouvir um pouco de sua sabedoria. Intrigado, ele decidiu desafiar o sábio e ver até que ponto era ele realmente sábio.
O garoto pegou um pequeno pássaro e se dirigiu à praça. Esperto ele conseguiu se aproximar do sábio .
- Senhor, gostaria de lhe fazer um desafio. – retrucou o menino.
- Pois não meu filho. -  Respondeu o sábio.
- Com as mãos para trás o menino perguntou – O pássaro que tenho em minhas mãos está vivo ou morto?
Se o sábio respondesse que estava vivo o menino mataria o pássaro estrangulando- Caso o sábio respondesse que estava morto o menino soltaria o pássaro que voaria para liberdade.
- Respondeu-lhe o sábio, após pensar silenciosamente por alguns segundos – A vida do pássaro está em suas mãos.
Frustrado, por não Ter conseguido seu objetivo,  o menino ficou admirado com a sabedoria do sábio. 



O DOENTE:  BATENDO NA PORTA ERRADA   Você já passou pela experiência de procurar a solução para o seu problema no lugar errado?
 Um homem foi ao médico. O doutor disse a ele: “Eu tenho certeza de que tenho a resposta para o seu problema”. O homem respondeu: “Eu espero que sim, doutor. Eu deveria Ter vindo me consultar com o senhor a muito tempo”.  O médico perguntou: Äonde você foi primeiro?’ “Eu fui ao Farmacêutico”, replicou o homem. O médico comentou sarcasticamente: “Que tipo de conselho ele te deu?” O homem disse: Ele mandou que eu viesse me consultar com o senhor. 
A MANEIRA DE DIZER AS COISAS

     Certa vez um sultão sonhou que havia perdido todos os dentes. Logo que despertou, mandou chamar um adiviho para que interpretasse o seu sonho:
- Que desgraça, senhor!  Exclamou o adivinho.
- Cada dente caído representa a perda de um parente de vossa majestade.
- Mas que insolente - Gritou o sultão, enfurecido. Como te atreves a dizer-me tal coisa? Fora daqui!

Chamou os seus guardas e lhe ordenou que lhe dessem cem açoites.
Mandou que trouxessem outro adivinho e lhe contou sobre o sonho. Este, após ouvir o sultão com atenção, disse-lhe:
- Excelso senhor! Grande felicidade vos está reservada. O sonho significa que haveis de sobreviver a todos os vossos parentes.
     A fisionomia do sultão iluminou-se num sorriso, e ele mandou dar cem moedas de ouro ao segundo adivinho. E quando este saia do palácio, um dos guardas lhe disse admirado:
- Não é possível! A interpretação que você fez foi a mesma que o seu colega havia feito. Não entendo porque o primeiro ele pagou com cem açoites e a você com cem moedas de ouro.
- Lembra-te meu amigo - respondeu o adivinho - que tudo depende da maneira de dizer... 

BORO:   O ALIMENTO INDISPENSÁVEL  O Boro é um elemento químico indispensável, mas sempre raro no solo. Quando é esgotado pelas plantas cultivadas o crescimento destas pára, mesmo se lhes forem fornecidos abundantemente os outros elementos indispensáveis.

 O Homem deixa de crescer espiritualmente quando falta o alimento indispensável, a palavra .  
 
BULDOGUE:   FORÇA E DETERMINAÇÃO PARA ALCANÇAR O OBJETIVO   Nas ruas, há quem mude de calçada para evitar cruzar com um deles. Os músculos da boca são bastantes desenvolvidos, quando o Buldogue Americano participa de caçadas e pega uma presa, às vezes é necessário usar uma alavanca, feita com um pedaço de pau, para força-lo a abrir a boca. Utilizado para guarda de propriedades, a caça de porcos selvagens e as lutas com animais. "Combatiam touros e ursos, numa espécie de farra-do-boi ou farra-do-urso, para divertir platéias". O Buldogue não se intimida, parte para o ataque até a morte.
 Uma história conhecida é atribuída ao reverendo Bob Schuller e relata que um dia estava visitando os membros de sua igreja quando viu um grande cachorro buldogue correndo na direção da calçada por onde ele estava andando. Todos os cachorros menores latiram e rosnaram para o buldogue por ele está invadindo território alheio. Mas o buldogue nunca desviou do caminho que tinha determinado e continuou como se nada o estivesse atrapalhando. Quando Schuller se aproximou do buldogue,  decidiu que não ia se desviar do seu caminho por causa de um cachorro. No entanto, quando uma colisão se tornou aparente, foi o pregador que acabou desviando. O velho buldogue nem mesmo parou para olhar o homem, continuando seu caminho como se não houvesse ninguém ao seu redor. Mas tarde, naquela noite, Schuller orou pedindo ao senhor que lhe desse o que aquele buldogue tinha, determinação.  
 

PUSH
Uma noite, um homem estava dormindo em sua cabana quando de repente seu quarto ficou cheio de luz e Deus lhe apareceu. O Senhor disse ao homem o trabalho que ele deveria fazer e mostrou-lhe uma grande rocha na frente de sua cabana.
O Senhor explicou que ele deveria empurrar (PUSH) a rocha com toda a sua força. O homem então o fez, dia após dia. Por muitos anos, de sol a sol, ele empurrou a rocha, com seus ombros escorados na fria e maciça superfície da rocha imóvel, empurrando-a com toda a sua força.

 A cada noite o homem retornava à sua cabana aborrecido e esencorajado, sentindo que havia gasto seu dia em vão.   Com a insatisfação, a sua má inclinação mostrou-se cada vez mais forte e as "forças do mal" dediram entrar em cena colocando pensamentos em sua desgastada mente .
 "Você tem empurrado essa rocha por tanto tempo, e ela nem sequer se moveu." Isso dava ao homem a impressão de que sua tarefa era impossível e que ele era um fracassado.
 Esses pensamentos o desencorajavam e o desanimavam cada vez mais.
 Pensou: "Para que estou me matando tentando fazer isso?"
 "Eu farei apenas o possível, colocando o mínimo esforço e isso será  suficiente".
 E era o que ele planejava fazer, até que um dia ele decidiu fazer uma oração e levar os seus maus pensamentos ao Senhor.  "Senhor, tenho trabalhado duro e por muito tempo em Teu serviço, colocando toda a minha força para fazer aquilo que o Senhor me mandou.

 Entretanto, após todo esse tempo eu não consegui mover essa rocha nem sequer em um milímetro.
 O que está errado comigo? Em que estou falhando?"
 O Senhor respondeu com compaixão:
 "Meu amigo, quando Eu lhe disse para me servir e você o aceitou, disse
apenas que sua tarefa seria empurrar a rocha com toda a sua força, e é o que você tem feito.   Sequer esperava que você a movesse. Sua tarefa era apenas empurrá-la. E agora você vem a mim após todo o seu esforço, pensando que você falhou.  Mas, será isso realmente verdade? Olhe para si mesmo. Seus braços estão  fortes e musculosos, suas costas estão enrijecidas e bronzeadas, suas mãos estão calejadas pela pressão constante, suas pernas se tornaram musculosas e firmes.
Você cresceu muito e agora suas habilidades superam o que você era antes.
 Ainda assim, você não moveu a rocha, mas meu pedido foi para ser obediente  e empurra-la, exercitando sua fé e confiança na minha sabedoria.
 E isso foi o que você fez. Agora, meu amigo, Eu mesmo moverei a rocha."
 Às vezes, quando ouvimos uma palavra de Deus, tentamos questionar para  decifrar o que Ele quer, quando na verdade o que Ele deseja é apenas nossa obediência e fé . Em todos os sentidos, exercite a fé que "move montanhas", mas saiba que continua sendo Deus quem as move.

> Quando tudo parecer estar dando errado, apenas empurre P.U.S.H.!
> Quando o trabalho te deixar para baixo, apenas P.U.S.H.!
> Quando as pessoas não agirem da maneira que deveriam, apenas P.U.S.H.!
> Quando o seu dinheiro parecer ir embora e as contas ficarem, apenas P.U.S.H.!
> Quando as pessoas não compreenderem você... apenas P.U.S.H.!
>
>
> P = Pray (ore) U = Until (até) S = Something (alguma coisa) H = Happens (acontecer) 
       O ECO...
      Pai e filho caminhavam por uma montanha, quando de repente o
filho   cai,   se    machuca e grita:
      - Ai!
      Para sua surpresa, escuta sua própria voz se repetindo em algum  lugar da
      montanha:
      - Ai!
      Curioso, o menino pergunta:
      - Quem é você?
      E recebe como resposta:
      - Quem é você?
      Contrariado grita:
      - SEU COVARDE!!!
      E escuta como resposta
      - SEU COVARDE!!!
      O menino olha para o pai e pergunta, aflito:
      - O que é isso?
      O pai sorri e fala:
      - Meu filho, preste atenção:
      Então o pai grita em direção à montanha:
      - EU ADMIRO VOCÊ!!!
      A voz responde:
      - EU ADMIRO VOCÊ!!!
      De novo, o homem grita:
      - VOCÊ É UM CAMPEÃO!!!
      A voz responde:
      - VOCÊ É UM CAMPEÃO!!!
     
      O menino fica espantado. Não entende. E o pai explica:
      - As pessoas chamam isso de ECO, mas na verdade, isso é a VIDA.
     
      A VIDA lhe dá de volta tudo o que você DIZ, tudo o que você
DESEJA   de   BEM     e      MAL aos outros.      A VIDA lhe devolverá toda a blasfêmia, inveja, incompreensão, falta   de   honestidade que você desejou, praguejou às pessoas que lhe cercam.     
      NOSSA VIDA é simplesmente o REFLEXO das nossas ações.
      Se você quer mais AMOR, COMPREENSÃO, SUCESSO, HARMONIA,
 FIDELIDADE,    crie  mais amor, compreensão, harmonia no seu coração.     
      Se agir assim, a VIDA lhe dará FELICIDADE, SUCESSO, AMOR das
 pessoas que lhe cercam. REFLITA... e melhore sua vida enquanto há tempo!!! 
 

A Borboleta Azul
 

Havia um viúvo que morava com suas duas jovens filhas, meninas muito
curiosas e inteligentes. Suas filhas sempre faziam-lhe muitas perguntas.
Algumas ele sabia responder, outras não fazia a mínima idéia da resposta.
Como pretendia oferecer a melhor educação para suas filhas, enviou-as para
passar as férias com um velho sábio que morava no alto de uma colina. Este,por sua vez, respondia todas as perguntas sem hesitar. Já muito impacientes com essa situação, pois constataram que o tal velho era realmente sábio,
resolveram inventar uma pergunta que o sábio não
saberia responder. Passaram-se alguns dias e uma das meninas apareceu com
uma linda borboleta azul e exclamou para a sua irmã:
- Dessa vez o sábio não vai saber a resposta!
- O que você vai fazer? - perguntou a outra menina.
- Tenho uma borboleta azul em minhas mãos. Vou perguntar para o sábio se a borboleta está viva ou morta.
- Se ele disser que ela está morta, vou abrir minhas mãos e deixá-la voar para o céu. Se ele disser que ela está viva, vou apertá-la rapidamente, esmagá-la e assim matá-la. Como conseqüência, qualquer resposta que o velho
nos dar vai estar errada.
As duas meninas foram, então ao encontro do sábio, que encontrava-se
meditando sob um eucalipto na montanha.
A menina aproximou-se e perguntou:
- Tenho aqui uma borboleta azul . Diga-me sábio, está ela viva ou morta?
Calmamente o sábio sorriu e respondeu:
- Depende de você... ela está em suas mãos.

Assim é a nossa vida, é o nosso presente e o nosso futuro. Não devemos
culpar ninguém porque algo deu errado. O insucesso é apenas uma 
oportunidade de começar novamente com mais inteligência. Somos nós os responsáveis por
aquilo que conquistamos (ou não conquistamos). Nossa vida está em nossas
mãos - como uma borboleta azul - cabe a nós escolher o que fazer com ela, 
só a nós; não deixe ninguém interferir nisso.


Não julgue pelas aparências!

Um menino entrou numa loja de animais e perguntou o preço dos filhotes.
- Entre R$ 300,00 e R$ 500,00, respondeu o dono.
O garoto puxou, então, uns trocados do bolso e disse:
- Mas, eu só tenho R$ 10,00 ... Poderia ver os filhotes?
O dono da loja chamou Lady, a mãe dos cachorrinhos, que veio correndo, seguida
por cinco bolinhas de pêlo. 
Um dos cachorrinhos vinha mais atrás, com dificuldade, mancando.
O menino apontou aquele bichinho e perguntou:
- O que há de errado com ele?
O proprietário do estabelecimento explicou que ele tinha um problema no quadril e
andaria daquele jeito para sempre.
A criança se animou e disse com enormealegria no olhar:
- Esse é o cachorrinho que eu quero comprar!
O dono da loja estranhou...
- Não, você não vai querer comprar esse.
Mas, se quiser ficar com ele, eu lhe dou de presente.
O menino emudeceu ...olhou para o dono da loja e falou:
- Eu não quero que você me dê aquele cachorrinho, pois ele vale tanto quanto
qualquer um dos outros. Vou pagar o preço que me for pedido. 
Na verdade, eu lhe dou R$ 10,00 agora e R$ 1,00 por mês, até
completar o valor total.
Surpreso, o dono da loja contestou:
- Mas este cachorrinho nunca vai poder correr, pular e brincar com você como
qualquer um dos outros...
Sério, o menino levantou lentamente a perna esquerda da calça, deixando à
mostra a prótese que usava para andar.
- Veja. Eu também não corro muito bem e o cachorrinho vai precisar de alguém que
entenda isso...
O PERDÃO

 O professor pediu para que os alunos levassem batatas e uma bolsa de plástico para a aula. Ele pediu para que separassem uma batata para cada pessoa de quem sentiam mágoas, escrevessem os seus nomes nas batatas e as colocassem dentro da bolsa. Algumas das bolsas ficaram MUITO pesadas.

 A tarefa consistia em, durante uma semana, levar a todos os lados a bolsacom batatas. Naturalmente a condição das batatas foi se deteriorando com o tempo. O incômodo de carregar a bolsa, a cada momento, mostrava-lhes o tamanho do peso espiritual diário que a mágoa ocasiona, bem como o fato de que, ao colocar a atenção na bolsa, para não esquecê-la em nenhum lugar, os alunos deixavam de prestar atenção em outras coisas que eram
importantes para eles.

 Esta é uma grande metáfora do preço que se paga, todos os dias, para manter a dor, a bronca e a negatividade. Quando damos importância aos problemas não resolvidos ou às promessas não cumpridas, nossos pensamentos enchem-se de mágoa, aumentando o stress e roubando nossa alegria. Perdoar é deixarestes sentimentos irem embora é a única forma de trazer de volta a paz e calma.

 Jogue fora suas "batatas".


CONSTRUIR PONTES
        Conta-se que, certa vez, dois irmãos que moravam em fazendas vizinhas, separadas apenas por um riacho, entraram em conflito. Foi a primeira grande desavença em toda uma vida trabalhando lado a lado, repartindo as ferramentas e cuidando um do outro. Durante anos eles percorreram uma estrada estreita e muito comprida, que seguia ao longo do rio para, ao final de cada dia, poderem atravessá-lo e desfrutar um da companhia do outro. Apesar do cansaço, faziam a caminhada com prazer, pois se amavam. Mas agora tudo havia mudado. O que começara com um pequeno mal entendido finalmente explodiu numa troca de palavras ríspidas, seguidas por semanas de total silêncio. 
  Numa manhã, o irmão mais velho ouviu baterem na sua porta. Ao abri-la notou um homem com uma caixa de ferramentas de carpinteiro na mão. Estou procurando trabalho - disse ele. Talvez você tenha um pequeno serviço que eu possa executar. Sim! - disse o fazendeiro - claro que tenho trabalho para você. Veja aquela fazenda além do riacho. É do meu vizinho. Na realidade, meu irmão mais novo. Nós brigamos e não posso mais suportá-lo.  
- Vê aquela pilha de madeira perto do celeiro? Quero que você construa uma cerca bem alta ao longo do rio para que eu não precise mais vê-lo. 
Acho que entendo a situação - disse o carpinteiro. Mostre-me onde estão a pá e os pregos que certamente farei um trabalho que lhe deixará satisfeito. Como precisava ir à cidade, o irmão mais velho ajudou o carpinteiro a encontrar o material e partiu. O homem trabalhou arduamente durante todo aquele dia medindo, cortando e pregando. Já anoitecia quando terminou sua obra.   
O fazendeiro chegou da sua viagem e seus olhos não podiam acreditar no que viam. Não havia qualquer cerca! Em vez da cerca havia uma ponte que ligava as duas margens do riacho. Era realmente um belo trabalho, mas o fazendeiro ficou enfurecido e falou: você foi muito atrevido construindo essa ponte após tudo que lhe contei. No entanto, as surpresas não haviam terminado. Ao olhar novamente para a ponte, viu seu irmão aproximando-se da outra margem, correndo com os braços abertos. Por um instante permaneceu imóvel de seu lado do rio. Mas, de repente, num só impulso, correu na direção do outro e abraçaram-se chorando no meio da ponte.   
O carpinteiro estava partindo com sua caixa de ferramentas quando o irmão que o contratou pediu-lhe emocionado: "espere! fique conosco mais alguns dias". E o carpinteiro respondeu: "eu adoraria ficar, mas, infelizmente, tenho muitas outras pontes para construir". 
  E você, está precisando de um carpinteiro, ou é capaz de construir sua própria ponte para se aproximar daqueles com os quais rompeu contato?   
 
EVOLUÇÃO
Um dia, na sala de aulas, a professora estava explicando a teoria da evolução aos alunos. Ela perguntou a um dos estudantes:
- Tomás, você vê a árvore lá fora?
- Sim, respondeu o menino.
A professora voltou a perguntar:
- Vê a grama?
E o menino respondeu prontamente:
- Sim.
Então a professora mandou Tomás sair da sala e lhe disse para olhar para cima e ver se ele enxergava o céu. Tomás entrou e disse:
- Sim, professora. Eu vi o céu.
- E você viu Deus? - perguntou a professora.
O menino respondeu que não. A professora, olhando para os demais alunos da sala, disse:
- É disso que eu estou falando ! Tomás não pode ver Deus, porque Deus não está ali! Podemos concluir, então, que Deus não existe.Nesse momento, Pedrinho se levantou e pediu permissão à professora para fazer mais algumas perguntas a Tomás.
- Tomás, você vê a grama lá fora?
- Sim.
- Vê as árvores?
- Siiiiimmmmm.
- Vê o céu?
- Sim!
- Vê o cérebro da professora?
- Não - disse Tomás.
Pedrinho então, dirigindo-se aos seus companheiros, disse:
- Colegas, de acordo com o que aprendemos hoje, concluímos que a professora não tem cérebro. 
    
  
  
 

 

 
 

VOLTAR

Mostrar Cesto
O seu Cesto encontra-se vazio no momento.

Newsletters :

Cadastre-se e receba Novidades :

Pesquisa

Qual seu livro Favorito?
 
Banner