joomla 1.6

HISTÓRIAS COMEMORATIVAS I

Imprimir
PDF

Dia da Bíblia
ALE

O Dia da Bíblia surgiu em 1549, quando o Bispo Cranmer, que vivia na Grã-Bretanha, incluiu no livro de orações do rei Eduardo VI um dia especial para que a população intercedesse em favor da leitura do Livro Sagrado. A data escolhida foi o Segundo Domingo do Advento (o Advento é celebrado nos quatro domingos que antecedem o Natal). Foi assim que o segundo domingo de dezembro se tornou o Dia da Bíblia.

Hoje, um dia dedicado às Escrituras Sagradas é comemorado em cerca de 60 países. Em alguns desses países, a data é celebrada no segundo domingo de setembro, numa referência ao trabalho do tradutor Jerônimo, na Vulgata, conhecida tradução da Bíblia para o latim. (Para os católicos setembro é o Mês da Bíblia).

No Brasil, o Dia da Bíblia começou a ser celebrado pelos primeiros missionários evangélicos que, oriundos da Europa e Estados Unidos, a partir de 1850, aqui vieram semear a Palavra de Deus. Durante o período do Império, a liberdade religiosa aos cultos protestantes era muito restrita, o que impedia manifestações públicas dos evangélicos. Por volta de 1880, esta liberdade foi crescendo e o movimento evangélico, juntamente com o Dia da Bíblia, se popularizando.

Pouco a pouco, as diversas denominações evangélicas institucionalizaram a tradição do Dia da Bíblia, que ganhou ainda mais força com a fundação da Sociedade Bíblica do Brasil, em junho de 1948. Em dezembro deste mesmo ano, houve um das primeiras manifestações públicas do Dia da Bíblia, em São Paulo, no Monumento do Ipiranga.

Hoje, as comemorações do segundo domingo de dezembro mobilizam, todos os anos, milhares de cristãos em todo Brasil. Em alguns estados e em vários municípios, o Dia da Bíblia é data oficial.

Dia das Crianças

Brasil:
A iniciativa de criar um dia especialmente dedicado às crianças foi do deputado federal Galdino do Valle Filho, ainda na década de 1920. Depois de aprovada pelos deputados, o 12 de outubro foi oficializado como Dia da Criança pelo presidente Arthur Bernardes, por meio do decreto nº 4867, de 5 de novembro de 1924.

Mas somente em 1960 quando a Fábrica de Brinquedos Estrela fez uma promoção conjunta com a Johnson & Johnson para lançar a "Semana do Bebê Robusto" é que a data passou a ser comemorada.
Logo depois, outras empresas decidiram criar a Semana da Criança, como meio de aumentar as vendas. No ano seguinte, os fabricantes de brinquedos decidiram escolher um único dia para a promoção e "ressucitaram" o antigo decreto. A partir daí, o 12 de outubro se transformou em uma das datas mais importantes do ano para o setor de brinquedos.

Japão
O dia é comemorado em 5 de maio. Foi decretado feriado nacional em 1948, mas já vem sendo celebrado no Japão desde tempos antigos.
O quinto dia do quinto mês é tradicionalmente chamado de Tango no Sekku e era um festival para meninos. As meninas tinham seu próprio festival - Hina Matsuri (Festa das Bonecas) - no terceiro dia do terceiro mês.
É hábito no dia das crianças que as famílias soltem enormes pipas em forma de carpa, simbolizando força e sucesso, fora de casa e coloquem bonecos de guerreiros famosos e heróis dentro de casa.Também neste dia as famílias tomam banhos com raízes e folhas de iris, porque esta planta é considerada promotora de boa saúde e protetora contra o mal.


Nova Zelândia
Último domingo de outubro.


Budismo
Dia das Crianças é comemorado no Solstício de inverno, em dezembro. Este feriado, instituido por Chögyam Trungpa Rinpoche celebra crianças e infância enfatizando o fato que toda crianças pode ser um rei ou rainha.


Turquia:
Mustafa Kemal Aataturk iniciou esta comemoração na Turquia após a I Guerra Mundial. Ele amava as crianças e sempre dizia que "Crianças são um novo começo do amanhã". Ele dedicou o dia 23 de abril às crianças, e esta data é hoje celebrada como o Dia das Crianças, bem como a data da Fundação da República da Turquia.


Moçambique:
Comemora-se no dia 1 de Junho o Dia Internacional da Criança.
1 de junho foi instituído Dia Internacional da Criança para assinalar o dia em que muitas crianças de tenra idade foram barbaramente assassinadas a sangue frio pelas forças nazis em Junho de 1943.

Dia das Mães:

Antes do Séc. I
Festividade da deusa Rhea, Grécia
Alguns historiadores apontam esta festividade como o antecessor do Dia das Mães. Acontecia na antiga Grécia e era em favor da deusa Rhea, mulher de Cronus, mãe dos deuses e deusas.

250 a.C. - 15 a 18 de março
Hilaria, Roma
As celebrações em honra de Cybele, mãe dos deuses, começaram por volta de 250 anos antes do nascimento de Cristo e era conhecida em Roma por Hilaria.

Após Séc. I
Festas a Maria e a Igreja-Mãe
Alguns historiadores afirmam que as celebrações em honra a Cybele foram adotadas pela igreja no seu início, para venerar a mãe Maria, mãe de Jesus Cristo. Outros acreditam que a mãe de Cristo substituiu as celebrações à mãe dos deuses e iniciou o costume das pessoas visitarem a igreja no seu dia de batismo.
Ao longo do tempo as celebrações da mãe da igreja começaram a se confundir com as celebrações do Domingo das Mães, com as pessoas começando homenagear além da mãe da igreja, a sua própria mãe.

Séc XVI - 4o. Domingo da Quaresma
Domingo Materno, Inglaterra
Neste dia, os aprendizes e trabalhadores que normalmente trabalhavam longe, retornavam à sua casa, levando para suas mães pequenos presentes, como por exemplo o bolo das mães.

1872
Sugestão de um Dia das Mães, EUA
Julia Ward Howe sugere a criação de um dia das mães dedicado à paz, nos Estados Unidos. Ela manteve organizado em Boston durante muitos anos o encontro do Dia das Mães.

1908 - 10 de maio
1o. Dia das Mães, EUA
Anna M. Jarvis (1864 – 1948), nos Estados Unidos, filha de Pastores é quem originou o Dia das Mães naquele pais. Ela lecionava na escola dominical da Andrew Methodist Church of Grafton, era solteira e extremamente apegada a sua mãe.
Em maio de 1905 faleceu sua mãe Anna Reese Jarvis e ela ficou sozinha com sua irmã cega Elsinore. Em 1907, Anna Jarvis e suas amigas começaram um movimento, com ministros, empresários e congressistas para a instituição de um dia nacional das mães. Ela achava que muitas vezes as crianças não davam o devido valor às suas mães enquanto vivas. Ela esperava que a iniciativa fortalecesse os laços familiares e o respeito aos pais.
O primeiro dia das mães ocorreu a pedido de Anne M. Jarvis com uma missa em Grafton, West Virigina, Filadélfia e Pensilvânia em homenagem a sua mãe, no dia 10 de maio de 1908.

1910
1o. Dia das Mães oficial, EUA
A primeira celebração oficial do dia das mães foi instituido pelo governador da West Virgina em 1910.

1911
Internacionalização do Dia das Mães
Em 1911 praticamente todos os estados norte-americanos celebravam o dia das mães e outros países também já o comemoravam, como México, Canada, China, Japão, América do Sul e África.

1912
Fundação da Associação do Dia Internacional da Mãe
A Associação Internacional do Dia Internacional da Mãe foi fundada em 12 de dezembro de 1912, com o intuito de incentivar homenagens significativas às mães.

1914 - Segundo Domingo de Maio
Instituição do Dia das Mães nos EUA
O presidente Woodrow Wilson institui o dia nacional das mães a ser celebrado no segundo domingo de maio.

Datas no Mundo:

4o Domingo da Quaresma

Reino Unido (Inglaterra)

1o Domingo de Maio

Espanha

2o Domingo de Maio

Brasil, EUA, México, Canada, China, Japão e África.

 

 

 

 

Dia dos Pais:

1909
Sugestão de um Dia dos Pais
Sonora Louise Smart Dodd, inspirada no Dia das Mães e querendo homenagear seu pai - que havia criado 6 filhos sozinho após a morte da esposa - sugeriu que se comemorasse o dia dos pais em junho, mês de nascimento do seu pai.

1910
Primeiro Dia dos Pais, EUA
Foi comemorado no dia 19 de junho de 1910 em Spokane, Washington.

Década de 1920
Apoio ao Dia dos Pais, EUA
O Presidente Calvin Coolidge demonstrou apoio à idéia de tornar o Dia dos Pais um feriado oficial.
O presidente do Lions Clube de Chicago, Harry C. Meek, também fez diversas palestras por todo o país incentivando a criação de um dia para homenagear os pais.

Em 1920 o Lions Clube da América deu a ele um relógio de ouro com a inscrição

"Criador do Dia dos Pais".

1953
Dia dos Pais, Brasil
No Brasil, a data foi festejada pela primeira vez no dia 14 de agosto de 1953.

A comemoração foi importada dos EUA pelo publicitário Sylvio Bhering e teve sua data alterada

de junho para agosto por motivos comerciais.

1966
Proclamação do Dia dos Pais como feriado, EUA
O Presidente Lyndon Johnson proclamou oficialmente o Dia dos Pais como uma data nacional

a ser celebrada no terceiro domingo de junho.

1972
Lei do Dia dos Pais, EUA
O Richard Nixon passou uma lei proclamando o terceiro domingo de junho como uma

data permanente para a comemoração do dia dos pais nos EUA

Datas no Mundo:

23 de fevereiro

Rússia (não é propriamente o dia dos pais, mas o Dia do Defensor da Pátria)

19 de março (dia de S José)

Portugal e Itália

3o Domingo de junho

Reino Unido (Inglaterra), EUA, Argentina, Peru, Paraguai

junho

17 - Canadá; 21 - Grécia

2o domingo de agosto

Brasil, África do Sul

2o domingo de setembro

Austrália

 

 

Dia do Professor

A data foi escolhida por ser o aniversário da primeira Lei Geral relativa ao Ensino Elementar,

de 15 de outubro de 1827.
Esta lei, outorgada por Dom Pedro I, tratava, entre outros, dos seguintes assuntos:
- descentralização do ensino
- remuneração dos professores e mestras (determinando salários iguais para ambos os sexos)
- ensino mútuo
- currículo mínimo
- admissão de professores
- escolas das meninas
- formação dos professores.

Ela também determinou que as Escolas de Primeiras Letras (hoje, ensino fundamental)

deveriam ensinar:
para os meninos: a leitura, a escrita, as quatro operações de cálculo e as noções mais

gerais de geometria prática.
para as meninas: o mesmo, excluídas as noções de geometria. Para o currículo das meninas

o mais importante seriam as prendas para a economia doméstica, como costurar, bordar,

cozinhar, etc..

A data comemorativa - Dia do Professor - foi criada com o decreto 52.682, de 1963

 

Halloween

A festa como atualmente a conhecemos origina-se dos Estados Unidos, e tem como

Características:- fantasiar-se - podem ser fantasias assustadoras, como fantasmas e

bruxas ou animais e personagens de contos infantis.
- "gostosura ou travessura" - bater de porta em porta, pedindo doces.
- lanternas esculpidas em abóboras.

Origens da Festa e da data 31 de outubro
Os celtas irlandeses comemoravam essa data desde o século cinco antes de cristo no Festival de

Samhaim - também conhecida como o Dia das Almas - quando festejavam o fim do verão,

o início do Ano-novo e as fartas colheitas.
De acordo com os celtas a data reunia as almas de todos os que haviam morrido durante

o ano para serem apresentadas ao deus Sol como agradecimento à colheita.
Também para os Druidas, antigos sacerdotes da Gália e da Bretanha, o ano novo começava em

1º de novembro. Na noite anterior, eles acendiam uma grande fogueira no topo das colinas e

pintavam o corpo para observar as chamas e contar suas experiências, para celebrar o

final do verão e da sua fertilidade e para que as chamas do fogo ajudassem o sol no inverno.

Mas, há também origens cristãs/católicas para esta festa:
Em 741 a Festa de Todos os Santos foi transferida, pelo Papa Gregóio III, de 13 de maio para

1º de novembro, dia da consagração da capela de todos os santos, em São Pedro, Roma; e

tornada obrigatória nos anos 840, pelo Papa Gregório IV. O dia anterior era, portanto, a vigília

ou "Véspera de Todos os Santos" (All Hallows Eve ou Hallowe'en).

Em 998 São Odilo, abade do poderoso monastério de Cluny no sul da frança, adicionou a

celebração de 2 de novembro, dia de orar pelas almas de todos os fiéis falecidos. Esta Festa,

chamada "Dia de Todas as Almas - All Souls Day" (no Brasil Dia de Todos os Mortos ou Finados).

Assim, os católicos tinham festas para todos os que estava no céu (Todos os Santos) e todos

os que estavam no purgatório (Todos os Mortos).

Parece que então, alguns camponeses irlandeses católicos começaram a se preocupar com

as almas que já haviam sido condenadas ao inferno. Com medo que estas almas se vingassem

da falta de festas para elas, estes camponses passaram a bater panelas para "celebrar" as almas

no inferno, no dia anterior a Todos os Santos. Assim, pelo menos na Irlanda, todas as almas

passaram a ser lembradas, embora o clero não aprovasse ou incluísse a festa por todos

os condenados no calendário da igreja.

Fantasiar-se
Este costume apareceu na França nos séculos 14 e 15.
A Europa no final da idade média foi atingida por diversas epidemias de peste bubônica -

a peste negra - e perdeu quase metade de sua população. Por isso, as pessoas se tornaram mais

preocupadas com a vida após a morte. Mais missas passaram a ser celebradas no Dia de todos

os mortos, e representacoes artísticas eram preparadas para lembrar as pessoas de sua própria

mortalidade. Nós conhecemos estas representações como "danse macabre" ou "dança da morte"

que era comumente pintada nas paredes dos cemitérios, mostrando o diabo guiando uma fila

de pessoas - papas, reis, damas, cavaleiros, monges, camponeses, leprosos, etc.. -

para as tumbas. Algumas vezes a dança era apresentada no dia de todos os mortos como

uma representação viva, com pessoas vestidas e fantasiadas mostrando diversos

estágios de vida.

Estas representações ainda se refletem hoje, no modo como o dia de Todos os Mortos -

ou Finados - é celebrado em alguns países da América Latina (de origem hispânica),

onde as pessoas fazem desenhos nas tumbas e decoram os cemitérios com figuras macabras.

Mas os franceses se fantasiavam no dia de Todos os Santos, não na véspera (Halloween);

e os irlandeses não tinham este hábito. Como estas 2 coisas se tornaram uma só?

Provavelmente os costumes se misturaram através dos muitos casamentos c

atólicos entre irlandeses e franceses na colônia britânica na América do Norte nos anos 1700.

Gostosura ou travessura
Gostosura ou travessura (treat or trick) é provavelmente a mais estranha das adições

americanas à festa de Halloween e uma contribuição involuntária dos católicos ingleses.

Durante o período de perseguição (anos 1500 a 1700) na inglaterra, os católicos não tinham

nenhum direito legal. Eles não podiam realizar cultos e eram submetidos a multas, prisão

e taxas pesadas. Era ofensa capital rezar missa, e centenas de padres foram martirizados.

Eventualmente, católicos ingleses resistiam, algumas vezes tolamente. Um dos atos mais tolos

de resistencia foi a conspiração para explodir o rei protestante, James I, e o seu parlamento,

a pólvora. Esta conspiração, pensava-se, dispararia um levante católico contra os

opressores protestantes. Porém a mal preparada conspiração a base de pólvora deu

para trás em 5 de novembro de 1605, quando o homem que guardava a pólvora,

um descuidado convertido chamado Guy Fawkes, foi capturado e preso. Ele foi

enforcado e a conspiração dissolveu-se.

5 de novembro, Dia de Guy Fawkes, passou a ser uma grande festa na Inglaterra,

e ainda o é hoje. Durante os anos de perseguição, bandos de foliões vestiam máscaras

e visitavam católicos na calada da noite, exigindo cerveja e bolos para suas festas:

Gostosura ou travessura (treat or trick)! O Dia de Guy Fawkes chegou às colônias da

América com os primeiros colonos ingleses. Mas quando da independência americana,

o velho rei James I e Guy Fawkes já haviam sido esquecidos. "Gostosura ou travessura",

no entanto, era muito divertido para ser abandonado, e eventualmente,

mudou para o dia 31/10, dia dos mascarados irlandeses-franceses.

Halloween
A mistura de várias tradições dos imigrantes que conhecemos por Halloween se

estabeleceu no calendário americano no início dos anos 1800. Até hoje, permanece

desconhecido na Europa, mesmo nos países em que se originaram alguns

destes costumes.
A data virou uma tradicional festa infantil na qual crianças se fantasiam e pedem doces

de casa em casa, dizendo "treats or tricks" - gostosuras ou travessuras.
A animação é tanta que dia 31 de outubro é feriado nos Estados Unidos e o

comércio registra alto volume de vendas, superado somente pelo da época de Natal.

Bruxas
A palavra inglesa witch (bruxa, feiticeira) é derivada da palavra anglo-saxônica wicce e da

alemã wissen (saber, conhecer) e wikken (adivinhar). O termo, em português, vem da

expressão latina plus sciat ("que sabe mais").

As bruxas nada mais eram do que mulheres sábias, que conheciam as ervas medicinais

para a cura das enfermidades do vilarejo, e estavam aptas para realizar partos

e preparar os ungüentos medicinais.
Para as bruxas, os dias 2 de fevereiro e 31 de outubro têm um significado muito especial.

Nesses dias, o deus que representava a natureza (dotado de chifres em sinal de poder)

saía da infância para ingressar na adolescência, tornando-se jovem e aventureiro

(símbolo do alce nas pinturas alquimistas). Nestes dias, as mulheres homenageavam

a deusa Gaia (terra) em sintonia com esse deus (fecundo) para obter cada vez mais

conhecimento, gerar filhos saudáveis e criar entendimentos entre os familiares.

Em alguns locais, estas mulheres tinham também como companheiro inseparável o gato preto.

Nos EUA, a indústria de cartões (fabricantes de cartões de "feliz Natal" etc..) adicionou

bruxas, no final dos anos 1800, aos cartões para celebrar a festa de Halloween.

 

Embora os cartões não tenham sido um sucesso, as bruxas permaneceram associadas à festa.

Lanterna de Abóbora
O uso da abóbora iluminada (Jack o' lantern) no dia de Halloween surgiu de uma lenda

irlandesa e foi introduzida nos EUA no final dos anos 1800, por folcloristas.
Diz a lenda que um homem chamado Jack, após sua morte, foi proibido de entrar

no paraíso, porque quando vivo era sovina, e as portas do diabo lhe foram fechadas,

porque teria feito o diabo de bobo. Sem ter para onde ir, foi condenado a andar na

escuridão. Implorou para o demônio que acendesse brasas para iluminar seu caminho

e, desta forma, foi lhe entregue um pedaço de carvão incandescente. Para proteger a luz, Jack

colocou o carvão dentro de um buraco de nabo. Quando os irlandeses chegaram aos

Estados Unidos, encontraram pouquíssimos nabos no campo, mas abóboras

em abundância, fazendo a substituição.

 

História da Escola Dominical no Brasil

   


Os missionários escoceses Robert (1809/1888) e Sara Kalley (1825/1907) são considerados

os fundadores da Escola Dominical no Brasil. Em 19 de agosto de 1855, na cidade imperial de

Petrópolis, no Rio de Janeiro, eles dirigiram a primeira Escola Dominical em terras brasileiras.

Sua audiência não era grande; apenas cinco crianças assistiram àquela aula. Mas foi suficiente

para que seu trabalho florecesse e alcançasse os lugares mais retirados de nosso país. Essa

mesma Escola Dominical deu origem à Igreja Congregacional no Brasil. 

Hoje, no local onde funcionou a primeira Escola Dominical do Brasil, acha-se instalado um colégio

(Colégio Opção, R. Casemiro de Abreu - segundo informações da Igreja Congregacional

de Petrópolis). Mas ainda é possível ver o memorial que registra este tão singular momento

do ensino da Palavra de Deus em nossa terra.

Houve, sim, reuniões de Escola Dominical antes de 1855, no Rio de Janeiro, porém,

em caráter interno e no idioma inglês, entre os membros da comunidade americana.

História da Escola Dominical no Mundo

As origens da Escola Dominical remontam aos tempos bíblicos quando o Senhor ordenou ao seu

povo Israel que ensinasse a Lei de geração a geração. Dessa forma a história do ensino bíblico

descortina-se a partir dos dias de Moisés, passando pelos tempos dos reis, dos sacerdotes e

dos profetas, de Esdras, do ministério terreno do Senhor Jesus e da Primitiva Igreja. Não

fossem esses inícios tão longínquos, não teríamos hoje a Escola Dominical.

A Escola Dominical do nosso tempo nasceu de visão de um homem que, compadecido com as

crianças de sua cidade, quis dar-lhes um novo e promissor horizonte. Como ficar insensível ante

a situação daqueles meninos e meninas que, sem rumo, perambulavam pelas

ruas de Gloucester? Nesta Cidade, localizada no Sul da Inglaterra, a delinqüência infantil era

um problema que parecia insolúvel. Aqueles menores roubavam, viciavam-se e

eram viciados; achavam-se sempre envolvidos nos  piores delitos. 
É nesse momento tão difícil que o jornalista episcopal Robert Raikes entra em ação.

Tinha ele 44 anos quando saiu pelas ruas a convidar os pequenos transgressores a que se

reunissem todos os domingos para aprender a Palavra de Deus. Juntamente com o

ensino religioso, ministrava-lhes Raikes várias matérias seculares: matemática, história e

a língua materna - o inglês.
Não demorou muito, e a escola de Raikes já era bem popular. Entretanto, a oposição

não tardou a chegar. Muitos eram os que o acusavam de estar quebrantando domingo.

Onde já se viu comprometer o dia do Senhor com esses moleques? Será que o Sr. Raikes

não sabe que o domingo existe para ser consagrado a Deus?
Robert Raikes sabia-o muito bem. Ele também sabia que Deus é adorado através de nosso

trabalho amoroso incondicional.
Embora haja começado a trabalhar em 1780, foi somente em 1783, após três anos de oração,

observações e experimentos, que Robert Raikes resolveu divulgar os resultados de sua

obra pioneira.
No dia 3 de novembro de 1783, Raikes publica, em seu jornal, o que Deus operara e continuava

a operar na vida daqueles meninos Gloucester. Eis porque a data foi escolhida

como o dia da fundação da Escola Dominical.

Mal sabia Raikes que estava lançando os fundamentos de uma obra espiritual que

atravessaria os séculos e abarcaria o globo, chegando até nós, a ponto de ter hoje dezenas de

milhões de alunos e professores, sendo a maior e mais poderosa agência de ensino da Palavra

de Deus de que a Igreja dispõe”.
Tornou-se a Escola Dominical tão importante, que já não podemos conceber uma igreja sem ela.

É aqui onde aprendemos os rudimentos da fé e o valor de uma vida inteiramente

consagrada ao serviço do Mestre.

CRONOLOGIA DA ESCOLA DOMINICAL

ANO

ACONTECIMENTO

1736

14/09
Nasce Robert Raikes, na Inglaterra.

1780

Robert Rikes, jornalista evangélico (episcopal), com 44 anos, realiza em Gloucester, Inglaterra, as primeiras aulas aos domingos pela manhã para crianças sobre leitura, escrita, aritmética, instrução moral e cívica e conhecimentos religiosos, dando início à Escola Dominical, não exatamente no modelo que temos hoje, mas como escola de instrução popular gratuita, o que veio a ser a precursora do moderno sistema de ensino público. As primeiras professoras foram assalariadas por Raikes.

1783

03/11
Dia Natalício da Escola Dominical
pois Raikes, após três anos de experiência com 7 Escolas Dominicais em casas particulares e com 30 alunos em cada uma delas, alcança êxito em seu trabalho com a transformação na vida de duas crianças.
A Escola Dominical passou das casas particulares para os templos, os quais passaram a encher-se de crianças.

1784

Quatro anos após a fundação, a Escola Dominical já contava com 250 mil alunos matriculados.

1785

Raikes Organiza a primeira União de Escolas Dominicais, em Gloucester, com ajuda de William Fox.
Surgem as primeiras Bíblias, Testamentos e Livros para serem usados especialmente nas Escolas Dominicais. Raikes publica o Sunday School Companion, que era um simples livro de leitura de versículos bíblicos.
É iniciado o movimento de Escolas Dominicais nos Estados Unidos da América, na Casa de William Elliott, inspirado nos exemplos britânicos. 

 1790

É fundada a primeira União de Escolas Dominicais dos EUA, em Philadelphia, para prover salas de aulas e professores para as escolas. Em Charleston, EUA, a Conferência Metodista reconhece oficialmente as suas Escolas Dominicais.

1797

Somente na Inglaterra chega a mil o número de Escolas Dominicais.

1800

Surgem fortes ataques contra a Escola Dominical. Raikes ‚ acusado de "profanador do Dia do Senhor", pelo fato de fazer funcionar a Escola aos domingos... Tal acusação partiu dos religiosos da época. No Parlamento chegou a ser apresentado um decreto para proibir Escolas Dominicais em toda a Inglaterra. Tal decreto jamais foi aprovado.

1810

O movimento já contava com mais de três mil Escolas Dominicais e com aproximadamente 275 mil alunos matriculados.

1811

Começa a separação de classes para que adultos analfabetos, assim como as crianças, também pudessem aprender a ler a Bíblia. O movimento chega a 400 mil alunos matriculados só na Inglaterra.
5/04
Morre Robert Raikes, aos 76 anos de idade, tendo a Escola Dominical se espalhado por toda a Inglaterra e em outras partes do mundo.

1820

Começam os primeiros passos para congregar as Uniões locais de Escolas Dominicais numa central - União Americana de Escolas Dominicais.

1824

25/05
A União Americana de Escolas Dominicais, em Filadelfia, EUA, torna-se a representante nacional de 723 Escolas afiliadas e 50 mil alunos.

1831

As Escolas Dominicais chegam a 1.250.000 alunos matriculados, cerca de 25% da população da Inglaterra na época.

1832

03/10
Realizada a Primeira Convenção Nacional da União Americana de Escolas Dominicais, em New York.

1836

O Rev. Justin Spauding, da Igreja Metodista, organiza no Rio de Janeiro, entre estrangeiros, uma congregação com cerca de 40 pessoas e em junho abre uma Escola Dominical com 30 alunos, dos quais alguns eram brasileiros, ensinados na sua própria língua. 

1855

19/08
Robert Kalley e sua esposa Da. Sarah Poulton, casal de missionários escoceses, realizam a primeira aula de Escola Dominical para cinco crianças, em sua residência na cidade de Petrópolis, Rio de Janeiro, o que resultaria na fundação da Igreja Evangélica Fluminense, embrião da Igreja Congregacional.

 1932

25 a 31/7
Realizada a XI Convenção Mundial de Escolas Dominicais, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro

 1955

19/8
Completados 100 anos de fundação das Escolas Dominicais no Brasil.

Fonte: www.escoladominical.com.br

VOLTAR

Mostrar Cesto
O seu Cesto encontra-se vazio no momento.

Newsletters :

Cadastre-se e receba Novidades :

Pesquisa

Qual seu livro Favorito?
 
Banner