joomla 1.6

FORMAÇÃO DISCIPULAR I, II e III

Imprimir
PDF

Livreto “A formação de Discípulos” – estudo1

 

I – JESUS E SEUS DISCÍPULOS

 

Para tratarmos sobre a formação de discípulos, temos  que aprender com o Senhor Jesus, que começou a fazer discípulos e nos ordenou continuar.

 

  1. JESUS COMO ESTRATEGISTA

 

Como vemos Jesus? Muitas vezes nós só vemos Jesus como aquele que falou da parte de Deus, realizou curas, expulsou demônios, ressuscitou mortos, fez muitos milagres, etc. Mas será que vemos Jesus como um estrategista? Vemos como aquele que tinha um alvo e um plano estratégico para atingi-lo.

 

  1. POR QUE JESUS SE CONCENTROU EM DOZE HOMENS

 

 

Jesus, ao concentrar seu trabalho em doze homens, nos revela um plano estratégico. Ele tinha muitos seguidores, mas como poderia cuidar de todo aquele povo, que era como ovelhas sem pastor, e, ao mesmo tempo, dar continuidade à obra que veio realizar da parte do Pai? Ele tinha compaixão pelo povo sem quem o liderasse. O que ele poderia fazer diante de tão grande necessidade? Se não podia tomar conta de todas as pessoas, teria, então, que ter homens que cuidassem delas. Por isso, seu ministério desenvolveu-se mais no cuidado pessoal de alguns homens, para que estes, uma vez cuidados pessoalmente e preparados para a obra, dessem continuidade ao que ele veio fazer. Assim, nasceu o discipulado de  Jesus com seus doze discípulos.

 

 

 

 

  1. O PRINCÍPIO DE DISCIPULADO JÁ EXISTIA

 

O princípio de discipulado empregado por Jesus com seus doze discípulos já existia.

 

As palavras discípulo e fazer discípulos têm sua idéia original, como a raiz do grego indica, na prática da antigüidade dos povos do oriente, de um aprendiz seguir seu mestre e seu ensino.

 

Na palavra de Deus encontramos várias referências deste relacionamento:

 

  • Os discípulos de Moisés (João 9:28)
  • Os discípulos dos profetas (2 Reis 4:1,38)
  • Discípulos dos levitas-músicos (1 Crônicas 25:8)
  • Discípulos de João Batista (Mateus 9:14)
  • Os Discípulos dos fariseus (Lucas 5:33)
  • Discípulos de Jesus, tendo como primeira referência, dentre muitas outras, (Mateus 5:1)
  • Os Discípulos de Paulo (Atos 9:25)

 

  1. O PLANO ESTRATÉGICO

 

Em Marcos 3:14-15, encontramos o plano estratégico de Jesus para desempenhar sua obra:

 

“Então designou doze para estarem com ele e para os enviar a pregar, e a exercer a autoridade de expedir demônios.”

 

Plano Geral:

 

Quando lemos o plano de Jesus em Marcos 3:14-15, entendemos que ele chama os doze para estarem com ele, e ao mesmo tempo, os envia a pregar, etc. Mas em 6:7 diz que eles só são enviados mais tarde. Como entender? É que em 3. 13-15, o plano é dado num sentido geral, mas, depois ele é especificado.

As duas etapas do plano:

No plano estratégico de Jesus há duas preposições: “para”, que especificam duas etapas:

            Primeira etapa: “para estarem com ele”

            Compreende os capítulos 3.14 a 6.7

Segunda etapa:“para os enviar a pregar...

            A partir do capítulo 6.7

 

Primeira etapa do plano:

A primeira etapa do plano estratégico de Jesus era de os discípulos simplesmente “estarem com ele”. Vai do capítulo 3.14 até 6.7. Era o começo do discipulado de Jesus.

Discipulado para Jesus era isto: os discípulos estarem junto com ele. Era um relacionamento intenso e íntimo. Esta foi a maneira mais eficiente que Jesus encontrou para servir e ensinar seus discípulos. Eles aprendiam vendo Jesus fazer (Atos 1.1) Tudo o que ele queria que seus discípulos fizessem, antes ele dava exemplo. O exemplo é o melhor ensino. Por isso, para Jesus, o discipulado não era mais um método, um programa, um grupo de estudos, uma reunião, uma entrevista. Não, discipulado para Jesus era ele mesmo se dando para seus discípulos.  E nesta primeira etapa, os discípulos aprendiam de Jesus para mais tarde praticarem o que receberam. Neste tempo, Jesus estava formando suas vidas e equipando-os para a obra.

 

 

Segunda etapa do plano:

 

  • Depois de os discípulos aprenderem de Jesus, e ainda continuarem aprendendo dele, eles, agora, são enviados à obra. A partir do capítulo 6.7, eles começam a fazer o que aprenderam com Jesus. Eles pregam o evangelho do reino, expelem demônios, curam enfermos (6. 7-30). Mas eles não faziam a obra sozinhos. Jesus os tinha enviado de dois a dois (6.7). Eles estavam vinculados com Jesus, e vinculados entre eles. O vínculo com Jesus é o discipulado; e o vínculo entre eles é o companheirismo. E quando eles voltavam das caminhadas evangelísticas, “ lhe relatavam tudo o que tinham feito e ensinado” (6.30). Ele começou sua obra com os doze, atingindo em primeiro, as ovelhas perdidas de Israel, e depois as ovelhas perdidas do mundo.

 

 

Livreto “A formação de Discípulos” – estudo2

 

I – JESUS E SEUS DISCÍPULOS

 

5. A ESTRATÉGIA E OS RECURSOS

 

 ESTRATÉGIA: Já vimos que Jesus se concentrou em poucos homens e os discipulou. É a prática mais eficiente de se formar uma vida e de equipar para a obra.

 

RECURSOS:  nos textos paralelos do chamado e envio dos doze, (Mateus 10.1-4 e Marcos 3.13-19 com 6.7 , 12 , 13, e Lucas 9.1, 2) , podemos dizer que há um tripé, que também se repete em outras situações:

1º) pregação do evangelho do reino;

2º) expulsão de demônios;

3º) cura das enfermidades.

 

            São recursos de Deus para o cumprimento da sua estratégia, concedidos para os apóstolos e para nós. A pregação do evangelho do reino trata com o fim da independência e rebeldia do homem para com Deus, e o começo de uma vida dependente e obediente em tudo a ele.

A expulsão de demônios e a cura das enfermidades tratam com a conseqüência do pecado do homem e a sua libertação destes males.

 

 6. O PRINCÍPIO DOS PEQUENOS GRUPOS

 

 

Jesus ensinou e equipou os discípulos, tanto individualmente como juntos. Ele andava, pregava, ensinava, fazia a obra com todos. Assim eles aprendiam com Jesus e uns com os outros. Não fazia uma obra isolada, mas corporativa. É o princípio dos pequenos grupos de discípulos. Os evangelhos chamam o grupo dos discípulos de Jesus: “os doze”. É a igreja de dois ou três, doze ou mais discípulos. São as células. É a igreja nas casas. É o modelo de igreja que Jesus deixou para nós seguirmos.

 

 

  1. RESUMO DA ESTRATÉGIA DE JESUS

 

 

Podemos apontar os oito princípios da sua obra (*):

 

  1. Seleção(Lucas 6:13) = Selecionou doze discípulos para entrarem com ele.
  2. Associação(Marcos 3:14; 6:7 ; Lucas 6:14,15) = Associou os discípulos consigo pelo discipulado, e entre eles, pelo companheirismo.
  3. Consagração(Mateus 11:29) = Esperava que os homens que o acompanhavam lhe fossem obedientes em tudo.
  4. Transmissão(João 17:8) = Transmitiu-lhes tudo o que recebera do Pai.
  5. Demonstração(João 13:15) = Antes de mandar fazer qualquer coisa, dava-lhes demonstração de como fazer.
  6. Delegação(Mateus 4:19) = Deu do seu poder e autoridade para seus discípulos fazerem discípulos dentre o povo judeu, e, mais tarde, dentre todos os povos (Mateus 28:19)
  7. Supervisão(Marcos 6:30) = Quando os discípulos voltavam das caminhadas evangelísticas, davam relatório a Jesus de tudo quanto haviam feito e ensinado, assim Jesus podia ajudá-los, fortalecê-los, aperfeiçoá-los, e prepará-los para as novas tarefas.
  8. Reprodução(João 15:16) = Jesus tinha como meta que seus discípulos reproduzissem outros discípulos, e assim expandissem sua obra.

 

________________________

(*) Princípios apontados por Robert Coleman, o Plano Mestre de Evangelismo, 1963.

 

 

 

Livreto “A formação de Discípulos” – estudo3

 

II - NÓS E NOSSOS DISCÍPULOS

Podemos ouvir hoje Jesus nos comissionando:
" Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado, E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século."(Mateus 28.18-20)

1. CONTINUAMOS A OBRA QUE O SENHOR COMEÇOU

Em Marcos 3.14 temos o começo do discipulado de Jesus; e em Mateus 28.18-20, temos sua continuidade.
Mateus 28, chamado " A Grande Comissão", é uma ordem do Senhor Jesus a todos os discípulos, em todas as épocas e em todos os lugares. Esta comissão começou na época de Jesus, e vai "até à consumação do século", atingindo a nossa geração.
Quem hoje está responsabilizado de continuar a grande comissão de fazer discípulos? Cada um de nós que se tornou um discípulo de Jesus. Iremos corresponder?


2. FAZER DISCÍPULOS É O IMPERATIVO DE JESUS

É importante notarmos os verbos da grande comissão.
"Dos quatro verbos desse texto, três estão no gerúndio, ou seja, são verbos auxiliares no grego, e apenas um é imperativo ou de comando direto. Os verbos no gerúndio são poreuthentes (cuja melhor tradução seria: indo), batizontes (batizando) e didaskontes (ensinando). O imperativo é matheteusate (fazei discípulos). Essa construção gramatical nos leva à conclusão razoável de que o objetivo principal da grande comissão é fazer discípulos; ao passo que indo, batizando e ensinando são meios essenciais rumo ao fim, mas não constituem fins em si só". (C. Peter Wagner).
Há quem confunda Marcos 16.15 com Mateus 28.19. Marcos 16 diz que é para pregar o evangelho. Mateus 28 diz que é para fazer discípulos. Como entender? Pregar o evangelho é um dos recursos da obra de Deus. Fazer discípulos já é a estratégia da obra de Deus. Assim, pela pregação do evangelho do reino, fazemos discípulos.
Se Jesus diz que fazer discípulos é o imperativo da sua obra, também deve ser o imperativo da nossa obra

3. EXEMPLOS DE IRMÃOS FAZENDO DISCÍPULOS

Discípulos de Paulo: "Mas os seus discípulos tomaram-no de noite e, colocando-o num cesto, desceram-no pela muralha" (Atos 9.25). quando Paulo esteve em Damasco, diz a palavra, ali ele fez discípulos. Quando diz "seus discípulos", literalmente significa: "os discípulos dele", isto é, discípulos de Paulo.

Discípulos de Estéfanas e sua casa: "E agora, irmãos, eu vos peço o seguinte (sabeis que a casa de Estéfanas é as primícias da Acaia, e que se consagraram ao serviço dos santos): Que também vos sujeiteis a esses tais, como também a todo aquele que é cooperador e obreiro: ( 1 Coríntios 16.15,16). Aos discípulos de Corinto, Paulo diz para eles se sujeitarem a Estéfanas, como também a todo aquele que é cooperador e obreiro.
Discípulos da região dos Gálatas: "Mas aquele que está sendo instruído na palavra faça participante de todas as cousas boas aquele que o instrui" (Gálatas 6.6). Paulo menciona aqueles que instruem, ou discipulam, e aqueles que são instruídos, ou discipulados. A palavra "instruído", do grego katecoúmenos, é uma referência àqueles que recebiam ensino oral e repetitivo das verdades da palavra de Deus.
Discípulos de Paulo e Timóteo, e outros irmãos: "E o que de minha parte ouviste, através de muitas testemunhas, isso mesmo transmite a homens fiéis e também idôneos para instruir a outros" (2 Timóteo 2.2). Paulo chama a atenção de Timóteo para a prioridade da obra de fazer discípulos, apontando quatro gerações: 1.º) Paulo; 2.º) Timóteo; 3.º) homens fiéis e idôneos; 4.º) e outros discípulos. É uma cadeia de discipuladores, cruzando gerações, chegando até nós.
Discípulas de irmãs maduras em Cristo: "Quanto às mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias em seu proceder, não caluniadoras, não escravizadas a muito vinho; sejam mestras do bem, a fim de instruírem as jovens recém-casadas a amarem a seus maridos e a seus filhos, a serem sensatas, honestas, boas donas de casa, bondosas, sujeitas a seus próprios maridos, para que a palavra de Deus não seja difamada" ( Tito 2.3-5). A Tito, Paulo orienta sobre a sã doutrina (versículo 1 ), para que as irmãs mais velhas ensinem as mais novas a como amarem seus maridos. Elas cooperam no discipulado dos casais de discípulos. Quanto à autoridade, esta é do marido (1 Coríntios 11.3); mas quanto ao discipulado a Cristo, as irmãs maduras cooperam.
Discípulos dos irmãos hebreus: "Pois, com efeito, quando devíeis ser mestres, atendendo ao tempo decorrido, tendes novamente necessidade de alguém que vos ensine de novo quais são os princípios elementares dos oráculos de Deus; assim vos tornastes como necessitados de leite, e não de alimento sólido" (Hebreus 5.12). O escritor aos hebreus deixa transparecer com clareza o discipulado na vida da igreja. Ele menciona aqueles que recebiam ensino, e com o tempo, deviam ser mestres, isto é, deviam ensinar a outros.

VOLTAR

Mostrar Cesto
O seu Cesto encontra-se vazio no momento.

Newsletters :

Cadastre-se e receba Novidades :

Pesquisa

Qual seu livro Favorito?
 
Banner